GUIMARÃES LARGO DE JOÃO FRANCO

My Image

VISITA VIRTUAL 360º

Palácio dos Lopes de Carvalho

Do lado norte da Praça de João Franco existe uma notável casa senhorial, com torre merloada, construída no seculo XVI, que foi da família dos Lopes de Carvalho Finseca e Camões, senhores de Abadim e Negrelos. No interior usaram-se madeiras de ébano e colunas de mármore oferecidas pelo rei D.João III a D.Gaspar de Carvalho, fidalgo vimaranense, chanceler mor do Reino, antepassado dos actuais proprietários, Mota Prego.

Casa da Família Lobo Machado

Mandada construir pelo padre Rodrigo de Sousa Lobo, em 1754, estilo Barroco tardio com influencia do arquitecto italiano Nicolau Nasoni. É actualmente sede da Associação Comercial de Guimarães.

No Largo João Franco temos vários importantes edificios do centro histórico e uma das portas da antiga muralha medieval

Igreja da Misericórdia

Um templo renascentista começado a ser construido em 1588, por iniciativa do benemérito vimaranense Pedro de Oliveira, pelos mestres Gonçalo Lopes e João Lopes de Amorim. Tem no seu interior um notável retábulo do século XVIII, e um dos mais ricos orgãos da cidade, desenhado por Frei António Vilaça.

Capela do anjo da Guarda

Nesta actual Rua da Rainha, outrora chamada de Rua Sapateira, por nela terem os seus oficios os sapateiros de Guimarães, foi fundada no século XIII, por Pero e João Bahião, mestres sapateiros, a Confraria de Santa Maria dos Sapateiros. Veneram-se na sua capela as imagens da Senhora das Neves, do Arcanjo S.Miguel, de S.Crispim e de S.Crispiniano. Junto à Capela a Confraria fundou uma Albergaria Hospital, que dava recolhimento a pobres da terra, bem como a peregrinos a caminho de Santiago. Em 1786 surge a irmandade de S.Crispim e S.Crispiniano que existe até hoje.

Palácio dos Couto

Mandado construir em 1747 pelo arcebispo de Braga D.José de Bragança e que pertenceu a familia Pereira Leite de Magalhães e Couto, cujas armas ainda hoje estao na fachada. A construção desta casa está ligada a uma época de revolta do Cabido de Braga contra o respectivo arcebispo, na sequencia da qual este mandou prender 17 cônegos, e acabou por deixar a cidade durante alguns anos.