Distrito de Braga em 360º

My Image
  • Demografia

    O distrito de Braga é um distrito português pertencente à província tradicional do Minho. Limita a norte com o distrito de Viana do Castelo e com Espanha, a leste com o distrito de Vila Real, a sul com o distrito do Porto e a oeste com o oceano Atlântico. Tem uma área de 2 673 km² (15.º maior distrito português) e uma população residente de 866 012 habitantes (2009). A sede do distrito é Braga

    Distrito de Braga mapa
  • Caracteristicas geograficas

    O distrito de Braga é um território bastante acidentado, dominado por altitudes elevadas a leste, junto à fronteira espanhola e aos limites com o distrito de Vila Real, e descendo até ao litoral ocidental, num relevo cortado pelos vales de vários rios que correm de nordeste para sudoeste.

    As altitudes maiores encontram-se na Serra Amarela (1 361 m), no limite com o distrito de Viana do Castelo e na fronteira com Espanha, com a serra do Gerês, que tem a sua maior altitude, 1 545 m, precisamente no limite com o distrito de Vila Real e muito perto da fronteira espanhola, e na parte ocidental da serra da Cabreira, que atinge no Alto do Talefe, dentro do distrito de Braga, 1 262 m de altitude.

    O vale do rio Cávado é o acidente mais importante relacionado com a rede hidrográfica, cortando totalmente o distrito e dividindo as suas montanhas em duas áreas distintas. O Cávado entra no distrito a leste, onde serve de fronteira com o distrito de Vila Real ao longo de alguns quilómetros, e vai desaguar no Oceano Atlântico no litoral de Esposende, a oeste, a única zona do distrito relativamente plana. A bacia hidrográfica do Cávado inclui ainda o vale do rio Homem, que nasce no Gerês e desagua no Cávado na confluência dos concelhos de Vila Verde, Amares e Braga.

    A sul do Cávado, outro vale importante é o do rio Ave, rio que nasce no distrito, na serra da Cabreira, e atravessa a sua parte sul, servindo de fronteira com o distrito do Porto ao longo de quase 20 km. Um dos afluentes do Ave, o rio Vizela, continua o limite sul do distrito ao longo de outros 20 km. O rio Este, que passa na capital do distrito, é outro afluente relevante do Ave.

    A norte, é o vale do rio Neiva a servir de limite com o distrito de Viana do Castelo ao longo de toda a parte baixa do curso deste rio (bastante curto). Por outro lado, a parte sueste do distrito faz parte da bacia hidrográfica do rio Douro, por intermédio do rio Tâmega, que serve de fronteira com o distrito de Vila Real e com o distrito do Porto, e de alguns dos seus afluentes de pequenas dimensões.

    Há várias barragens no distrito. A mais conhecida é a barragem de Vilarinho das Furnas, no curso superior do rio Homem. No baixo Cávado situa-se a barragem de Penide e no alto Cávado ficam a barragem da Caniçada, a barragem de Salamonde e a barragem da Venda Nova. No rio Ave ficam algumas barragens pequenas e a barragem do Ermal, bastante maior.

    A costa, incluída por inteiro no concelho de Esposende, é arenosa.

  • História social comum Minho-Galiza

    Cultura castreja

    As terras do Noroeste Peninsular possuíram traços de cultura comum durante milénios. Em quase toda a área geográfica estendeu-se a cultura megalítica que foi seguida pela chamada cultura do vaso campaniforme. O noroeste peninsular é uma região onde o céltico deixa de ser o específico céltico, para ser uma outra cultura muito própria, de qual os castros são exemplo acabado. Conhecem-se restos de mais de cinco mil, alguns escavados, como Carvalhelhos, Briteiros e Sobroso em Portugal, ou Sta. Trega, Baroña, Castromao e Viladonga, na Galiza.

    Romanos

    Mas mais do que o tema linguístico, de si próprio importante, foi a confluência de povos e de culturas que se deixou plasmar por uma organização social impostos pelas limitações económicas e ecológicas da região. Esta Gallaecia criada pelos romanos, abrangia as terras da Galiza, do Norte de Portugal, das Astúrias e Leão, contando com cidades como Lucus Augusti (Lugo) na actual Galiza, Brácara Augusta (Braga) no Norte de Portugal, e Astúrica Augusta (Astorga) em Leão.

    Muçulmanos

    A desorganização do império romano, a nunca consolidada ocupação muçulmana -região considerada pelos berberes pobre e sem interesse de tal forma que abandonaram as suas posições fortificadas e nunca mais as ocuparam- fizeram com que esta região do noroeste peninsular perdesse as relações com centros administrativos estáveis, e desse origem a comunidades rurais regressando a práticas arcaicas de subsistência

    Caminho de Santiago

    Os vínculos com a Europa cristã reforçaram-se, também, com a descoberta do sepulcro atribuído ao Apóstolo Santiago, em Compostela a partir de começos do século IX, fenómeno que perdura nos séculos seguintes e que implica uma estreita relação com outros povos europeus situados além dos Pirinéus, o que reflectirá em lendas da tradição oral, nomeadamente nos romances.

    Condado Portucalense

    Apesar dos ligeiros matizes locais, a unidade cultural e política representada pela velha Gallaecia é um facto até ao século XII. A partir desta data começa uma lenta, mas contínua, divergência de base política entre as terras situadas ao Norte e ao Sul do Minho.
    Enquanto que a Galiza, quer dizer, a parte setentrional do conjunto, fica submetida à monarquia leonesa-castelhana, Portugal constitui-se como reino independente, sob o monarca Afonso Henriques e os seus sucessores, produzindo-se, ainda por cima, uma deslocação dos centros de poder em direcção ao Sul, Coimbra e Lisboa.

Mapa distrital com a localização geografica das panoramicas 360º